NOTÍCIAS

 

Os sonhos do consumidor contam histórias para as marcas

As marcas podem obter muito mais resultados se os sonhos e aspirações de cada consumidor forem o drive na busca de um engajamento individual, personalizado.

Há bastante tempo discute-se o storytelling. A ideia de que as marcas devem construir narrativas ao redor do consumidor para envolvê-lo em um diálogo onde o benefício para as empresas será uma maior atenção dedicada a elas.

 

A ideia não é ruim, mas ignora o fato de que os consumidores já estão envolvidos com suas próprias histórias, as quais têm uma relevância e credibilidade muito maior.

Recentemente observei uma discussão nas redes sociais que ilustra com clareza a força das histórias reais, compartilhadas pelas pessoas no exato momento em que uma necessidade surge.

Participo de um grupo on-line onde a maioria dos membros são mulheres. Nele discutem-se assuntos prosaicos do dia a dia. Moda, educação, beleza, viagens, etc. O grupo tem mais de 7.000 participantes. Recentemente uma das participantes fez um post pedindo indicações sobre marcas de desodorantes.

 

Recebeu mais de 160 respostas. Foram recomendadas desde marcas brasileiras, passando por soluções caseiras, além de inúmeras marcas importadas. Mais de 50 marcas foram apresentadas como alternativas à pergunta feita. As indicações tinham tudo a ver com as reais vivências e necessidades daquelas consumidoras e nenhuma se utilizava de conteúdo oficial das marcas para fazer as suas recomendações.

 

Então, qual a solução para as marcas nesse mundo de consumidores infiéis?

Tratar cada consumidor com único e ganhar sua lealdade sendo, antes de tudo, atenta a ele: o indivíduo.

Hoje já se pode através do site das marcas saber exatamente em que produto cada consumidor está interessado, qual o grau do seu interesse e quão perto ele está do momento da compra. A Amazon oferece essa realidade para qualquer consumidor que entre no seu site. E essa mesma tecnologia já está hoje disponível no Brasil.

 

É possível oferecer comunicação personalizada na mídia. Tornar a experiência no ponto de venda customizada. E através do mobile cruzar essas duas experiências e obter resultados ainda maiores.

Além disso, a marca pode convidar o consumidor a dividir suas experiências com ela, através das redes sociais, gerando um engajamento real e uma relação de verdadeira confiança.

Cada consumidor tem seus próprios sonhos, aspirações, necessidades. As marcas podem e devem aprender a conhecê-lo e apoiá-lo a construir e contar essas histórias. Dessa maneira transformam-se em verdadeiras parceiras nas vidas das pessoas e serão os consumidores que contarão as histórias vividas com essas reais companheiras. 



FONTE: Meio e Mensagem